Há 4 anos o assassinato de Marielle e Anderson escancarou os rumos da democracia brasileira. Uma mulher negra, lésbica, mãe, feminista e socialista assassinada junto ao seu motorista, um trabalhador. O Estado até agora não foi capaz de dar ao caso o tratamento esperado, o Governo do Rio se nega a conversar com os parentes, uma série de dúvidas pairam sobre as investigações enquanto trocas subsequentes de delegados (5 em 4 anos) podem afetar o desvendar desse crime. É urgente pensarmos um Sistema de Justiça livre de interferências indevidas de outros poderes do Estado e que seja capaz de assegurar que mandatos de mulheres como Marielle não sejam mais interrompidos. No eixo Democracia e Forças Sociais queremos nos ocupar destas e demais questões que envolvam os rumos da democracia brasileira e o papel do judiciário.

#JustiçaporMarielleEAnderson
#4AnosSemRespostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tradução